SAUDAI O NOME DE  DE JESUS

saudai

SAUDAI O NOME DE  DE JESUS

HÁ  MUITOS ANOS PASSADOS, um missionário no Oriente retornou aos estados Unidos para um período de férias, levando consigo um menino nativo de pele bronzeada. A tez da criança, de cor insólita, chamou a atenção de um dos pastores da cidade, que convidou a ambos – o missionário e o pequeno – para irem até sua casa. Ali, conversando com a família, narrou o evangelista sua experiência missionária.

Eis o que contou: convertido a Cristo em sua mocidade, desejou consagrar a vida ao serviço do Mestre no estrangeiro, escolhendo para campo de ação a Índia pagã. Preparou-se convenientemente para o trabalho missionário, despediu-se da família e deixou o torrão natal em busca das longes terras onde decidira labutar. Deteve-se no Sião para melhor adaptar-se ao meio. Enquanto ali permanecia, uma bela manhã dele se aproximou um homem selvagem de má catadura. Interessou-se por ele, indagou de onde vinha, quais as sua condições de vida, sendo informado de que pertencia a uma tribo selvagem que habitava as montanhas, em completo estado de barbarismo e totalmente ignorante do evangelho.

Ao ouvir tais informes, sentiu-se desejoso de atender a esses selvagens sem Deus e resolveu ir levar-lhes as boas novas da salvação. Seus colegas e amigos tentaram dissuadi-lo. Tratava-se de uma das mais perigosas tribos da região. Nada porém, o removeu do nobre propósito. Orou a Deus pedindo a sua direção; rogou-lhe que o acompanhasse; e pareceu-lhe ouvir a voz do Mestre repetindo-lhe : “ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura”. Achava-se decidido a narrar aos selvagens a sublime história de Jesus e seu amor pelos pecadores.Levando consigo pequena bagagem, despediu-se dos amigos com o coração repleto daquela doce paz que só do céu provém; e partiu confiante, recordando as palavra de Jesus :  “Eis que estarei convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

Não tardou a alcançar o seu destino, vendo-se subitamente rodeado por centenas de selvagens armados de lanças. Não podia comunicar-se com eles, pois não sabia falar a língua. Como um cordeiro entre lobos, ali ficou. Orou pedindo a proteção de Deus.Sentiu-se ao seu lado. Então afinando o seu violino, começou a tocar e cantar o hino:

Saudai o Nome de Jesus!
Arcanjos, adorai!
Ao filho do bendito Deus,
Com glória coroai!

Enquanto cantava, fechou os olhos. Ao chegar à última quadra:

Ó raças, tribos e nações ,
Ao Rei divino honrai!
A quem quebrou os vis grilhões
Com glória coroai!

Abriu os olhos . As lanças jaziam por terra; lágrimas corriam pelas faces dos guerreiros. Estes , por meio de sinais, conduziram o missionário para as suas cabanas; deram-lhe alimento, abrigo e tudo quanto carecia.

Terminou o missionário a narrativa explicando como lhes aprendera a língua e a eles pregara o amor de Deus.Centenas de selvagens vieram a converter-se a Cristo. Ultimamente, com a saúde abalada, resolvera visitar a pátria em busca de melhoras , mas contava regressar em breve deixando a querida criança que trouxera consigo no Estados Unidos, para ali ser educada. Chamava-se  este missionário rev. E. P. Scott.

O belo hino que comoveu os selvagens foi escrito por Eduardo Perronet na segunda metade do século 18 e traduzido para o Português  em 1890 por Justus Nelson, que missionou no Brasil, na Amazônia, durante cerca de cinquenta anos, enviado pela Igreja Metodista Episcopal do Norte dos Estados Unidos, algum tempo depois de aqui aportar desligou-se da missão que o enviara, continuando o trabalho de evangelização por conta própria.

    Assim se expressa a versão portuguesa que preparou:

Saudai ao Nome de jesus!
Arcanjos , adorai!
Ao Filho do bendito Deus,
Com glória coroai!

Ó redimida geração
Do bom e eterno Pai,
Ao grande Autor da salvação
Com glória coroai!

Ó perdoados, cujo amor
Bem triufante vai,
Ao Deus varão, conquistador,
Com glória coroai!

Ó perdoados , cujo amor,
Bem triunfante vai,
Ao Deus Varão, Conquistador,
Com Glória coroai!

Ó raças , tribos e nações,
Ao Rei divino honrai!
A quem quebrou os vis grilhões
Com glória Coroai!

    A mais bela das três músicas com que costuma ser cantado acha-se em Salmos e Hinos sob o número 231. Foi composta por James Ellor, quando tinha apenas 19 anos de idade.

    Retirado do Livro Contanto & Cantando de Heriqueta Rosa F Braga

    Adquira esse livro em nosso site:

https://www.centralevangelica.com.br/contando-e-cantando

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close